As mais belas igrejas do Brasil. Igrejas do Brasil: a arquitetura da beleza.

Finalmente, um presente à altura dos aficionados pelas belezas arquitetônicas brasileiras. Mais precisamente, pelas nossas maravilhosas igrejas. O livro é As Mais Belas Igrejas do Brasil, publicação da Editora Metalivros (de Ronaldo Graça Couto, a mesma de O Brasil dos Viajantes). O idealizador é Percival Tirapeli, artista plástico e pesquisador livre docente em Artes Plásticas, que, juntamente com o também especialista em barroco Wolfgang Pfeiffer e o fotógrafo Günter Heil, responde pela autoria e concepção do livro, verdadeiro roteiro bilíngue (português e inglês), cultural, científico e literário, de 60 igrejas. A seleção das igrejas, pesquisa e texto são de autoria de Tirapeli (UNESP) e Pfeiffer (USP), professores de História da Arte.

A obra, com 300 páginas e 294 fotos coloridas, bilíngue (inglês), é fruto de décadas de pesquisa e da paixão pela arte religiosa brasileira. Ela começou a delinear-se há cerca de dez anos, data em que Wolfgang Pfeiffer publicou em alemão, pela editora DuMont, um guia da cultura brasileira - livro fartamente ilustrado pelo fotógrafo Günter Heil, que viajou pelo país, à época, com o patrocínio da Bayer do Brasil. Ao mesmo tempo, o artista Percival Tirapeli - discípulo de Pfeiffer - aperfeiçoou seus estudos sobre o barroco brasileiro e criou nos anos 80, no Instituto de Artes da UNESP - Universidade Estadual Paulista, o Núcleo Barroco Memória Viva.

O precioso acervo fotográfico oriundo das viagens de Günter, aliado às pesquisas de Pfeiffer e Tirapeli, levou os dois últimos a buscar formas de tornar acessível essa riqueza ao público brasileiro. Para isso, o encontro com Ronaldo e a Metalivros, que desde o início acreditou na importância do projeto para a divulgação da arte e da cultura genuinamente brasileiras, foi decisivo.

Decidiu-se, então, que o estudo da ornamentação das igrejas e das diferentes artes que a compõem nortearia a obra, a fim de que os leitores pudessem sentir o prazer estético de sua arrebatadora beleza. Desse modo, acredita-se cumprir a missão de estimulá-los a procurar dentro desses templos o bem espiritual, finalidade para a qual, afinal, foram feitas as obras criadas.

Da mesma forma, a organização da publicação por ordens religiosas e correspondentes ordens terceiras oferece uma visão clara e inédita, diversa da tradicional, por regiões geográficas: a opção foi por agrupar igrejas conventuais e ordens terceiras, confrarias e irmandades, matrizes mineiras e sés, capelas e santuários de distintas épocas e polos culturais. As Mais Belas Igrejas do Brasil objetiva acolher e preservar o que de mais importante se produziu na arte do Brasil Colônia dos séculos XVII e XVIII, permitindo adentrar os séculos XIX e XX, inclusive com obras de Oscar Niemeyer (Pampulha, em Belo Horizonte, e a Catedral de Brasília). Destaca, ainda, o fato de que esses monumentos estéticos até hoje sobrevivem graças a sua função religiosa e institucional - governamental e particular (incluindo as ordens terceiras) -, contribuindo para a custódia das obras de arte.

"A obra se propõe a ser não apenas um livro de belas imagens, mas uma fonte confiável de consulta sobre arte e história", explica o pesquisador Tirapeli. "Para isso, foi consultada vasta bibliografia, dos maiores especialistas no assunto, garantindo assim a exatidão das informações". Corroborando a intenção dos autores, Emanuel Araújo, outra das maiores autoridades mundiais em arte e arquitetura barroca do Brasil, assina o prefácio de As Mais Belas Igrejas do Brasil.

Longe de ser mais um coffee-table book (aqueles livros de arte bonitos, bons para se decorar um aparador mas sem qualquer substância), As Mais Belas Igrejas do Brasil corresponde à promessa de seu título e vai além: o coautor Prof. Wolfgang Pfeiffer, que contabiliza, em seus 87 anos de existência a função de assistente de Assis Chateaubriand na seleção e avaliação de boa parte do acervo do MASP paulista, diretor do MAC-USP e responsável por toda uma geração de artistas/pesquisadores em Artes brasileiros. As impecáveis fotos de Günte Heil dão conta do fascínio que são estes tesouros, igrejas, capelas, matrizes, sés, algumas bem pouco conhecidas do público brasileiro e internacional. Dentre elas, a igreja jesuítica do Embu em São Paulo, a suntuosidade da Sé e a riqueza dourada de São Francisco em Salvador, o refinamento do Mosteiro de São bento, no Rio de Janeiro, considerado o mais esplendoroso das Américas, a devoção à Virgem na Igreja de Nossa Senhora do Carmo, em Recife, e a expressão máxima da arte sacra brasileira nas obras e construções de Ouro Preto, Sabará, Mariana e Congonhas do Campo, em Minas Gerais.

Muitos entraves surgiram desde o início à realização de tão ambiciosa obra. O permanente restauro de algumas igrejas e obras impediu que Günter Heil as retratasse - lacunas que foram preenchidas pelo editor graças ao empenho e competência de fotógrafos brasileiros decididos a enfrentar o desafio.

As Mais Belas Igrejas do Brasil apresenta resenhas relativas às igrejas baseadas em informações do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Iphan, elaboradas a partir do livro Guia dos Bens Tombados, coordenado por Maria Elisa Carrazzoni, da obra de dois autores renomados da arquitetura e ornamentação religiosa do Brasil - Germain Bazin e Clarival do Prado Valladares, e da revista Barroco, publicada por Affonso Ávila em Minas Gerais. O livro propõe um percurso para a admiração do templo religioso como centro irradiador de cultura durante os três primeiros séculos de existência do Brasil. O olhar inicialmente recai sobre os monumentos das ordens religiosas, das ordens terceiras, das matrizes e, em seguida, sobre os focos pontuais da ornamentação, tais como retábulos, coros, púlpitos e magníficos ornados de excelente talha. A imaginária e a pintura completam o theatrum sacrum. Por fim, chega-se às sacristias, verdadeiras pinacotecas, muitas delas ainda hoje abrigando precioso acervo de arte sacra.

As Mais Belas Igrejas do Brasil apresenta, para complementar e enriquecer o texto, bibliografia, glossário e os arquitetos, escultores, pintores e entalhadores, que são os verdadeiros autores das mais belas igrejas brasileiras.

 

As Mais Belas Igrejas do Brasil / The Most Beautiful Churches of Brazil

Autores: Percival Tirapeli, Wolfgang Pfeiffer e Günter Heil

Patrocínio: Volkswagen do Brasil e Tejofran Saneamento e Serviços Especializados

Segunda Edição: Localiza

299 pág. - 1999

Metalivros

Apoio: Leis Rouanet e Mendonça